Tudo o que precisa saber sobre o autismo

o que é o autismo


O autismo é uma deficiência de desenvolvimento que afeta a forma como as pessoas percebem o mundo e interagem com os outros.

As pessoas autistas vêm, ouvem e sentem o mundo de forma diferente das outras pessoas. Se você é autista, é autista por toda a vida; O autismo não é uma doença e não pode ser “curado”.

Todas as pessoas autistas têm em comum certas dificuldades, mas ser autista afetará cada pessoa de maneiras diferentes. Algumas pessoas autistas também têm dificuldades de aprendizagem, problemas de saúde mental ou outras condições, o que significa que as pessoas precisam de diferentes níveis de apoio. Todas as pessoas no espectro do autismo aprendem e se desenvolvem. Com o tipo certo de apoio, todos podem ser ajudados a viver uma vida mais gratificante.

Quão comum é o autismo?

O autismo é muito mais comum do que a maioria das pessoas pensa. A nível mundial é mais do que 1 em cada 100. Pessoas de todas as nacionalidades e contextos culturais, religiosos e sociais podem ser autistas, embora pareça afetar mais homens do que mulheres.

Como é que as pessoas autistas vêm o mundo?

Algumas pessoas autistas dizem que o mundo é demasiado confuso e isso pode causar-lhes ansiedade. Pode ser mais difícil para uma pessoa autista, compreender e se relacionar com outras pessoas, particularmente participar na vida familiar, escolar, laboral e social.
As pessoas normais parecem saber intuitivamente, como se comunicar e interagir uns com os outros, mas podem sentir dificuldade para construir um relacionamento com pessoas autistas. As pessoas autistas podem se perguntar porque são “diferentes” e sentem que as suas diferenças sociais significam que as pessoas não as entendem.
As pessoas autistas muitas vezes não “parecem” incapacitadas . Alguns pais de crianças autistas dizem que outras pessoas simplesmente pensam que seu filho é mal comportado, enquanto que os adultos autistas acham que são mal interpretados.

Diagnóstico

O diagnóstico é a identificação formal do autismo, geralmente por uma equipe multidisciplinar, incluindo frequentemente um terapeuta de fala e linguagem, pediatra, psiquiatra e / ou psicólogo.

Os benefícios de um diagnóstico

Obter uma avaliação e diagnóstico assertivo pode ser útil porque:

Isso ajuda as pessoas autistas (e suas famílias, empregadores, colegas, professores e amigos) a entender por que eles podem enfrentar certas dificuldades e o que elas podem fazer em relação as dificuldades que estão a sentir.

Permite que a pessoa autista tenha acesso a serviços e suporte.

 

 

Como o autismo é diagnosticado?

As características da autismo variam de uma pessoa para outra, mas para que seja diagnosticado como autista, geralmente será avaliada como tendo dificuldades persistentes em comunicar com outras pessoas e problemas na interação social . Demonstra também ter desde a infância , padrões repetitivos de comportamentos que limitam e prejudiquem o funcionamento quotidiano da pessoa.

Dificuldades Persistentes com a comunicação e a interação social

As pessoas autistas têm dificuldade em interpretar linguagem verbal e não verbal como gestos ou tom de voz. Muitos têm uma compreensão muito literal da linguagem e pensam que as pessoas sempre significam exatamente o que dizem. Eles podem ter dificuldade em usar ou entender:

  • Expressões faciais
  • tom de voz
  • Piadas e sarcasmo.

Alguns autistas não conseguem falar, ou têm um discurso bastante limitado. Muitas vezes, eles entendem o que outras pessoas lhes dizem mais do que são capazes de expressar, mas podem ter dificuldades para compreender conceitos abstratos. Algumas pessoas autistas preferem usar, meios alternativos de comunicação, como linguagem gestual ou símbolos visuais. Alguns autistas são capazes de se comunicar de forma muito eficaz sem discurso. Outros têm boas habilidades linguísticas, mas ainda assim podem achar difícil entender a conversa da pessoa , e talvez repita o que a outra pessoa acabou de dizer (isto é chamado de ecolalia) ou converse extensamente sobre seus próprios interesses. Muitas vezes, ajuda a falar de forma clara e consistente e dar às pessoas autistas tempo para processar o que lhes foi dito.

 

 

Interação social

As pessoas autistas muitas vezes têm dificuldade em “ler” outras pessoas – reconhecer ou entender os sentimentos e intenções dos outros – e expressar suas próprias emoções. Isso pode tornar muito difícil para elas navegarem no mundo social. Elas podem:

  • Parecem ser insensíveis.
  • Procure estar sozinhos quando sobrecarregado por outras pessoas.
  • Não procure conforto de outras pessoas.
  • Parecem se comportar “estranhamente” ou de uma maneira pensada para ser socialmente inapropriada.

As pessoas autistas podem ter dificuldade em formar amizades. Alguns podem querer interagir com outras pessoas e fazer amigos, mas podem não ter certeza sobre como fazer isso.

Padrões repetitivos de comportamentos, atividades ou interesses

Comportamento repetitivo e rotinas

O mundo pode parecer um lugar muito imprevisível e confuso para pessoas autistas, que muitas vezes preferem ter uma rotina diária para que saibam o que acontecerá todos os dias. Eles podem querer viajar sempre da mesma maneira para a escola ou , trabalho, ou comer exatamente o mesmo alimento para o café da manhã.

O uso de regras também pode ser importante. Pode ser difícil para uma pessoa autista ter uma abordagem diferente para fazer algo, uma vez que tendo sido ensinados a maneira “certa” de fazer. As pessoas com algum grau de autismo podem não estar confortáveis com a ideia de mudança, mas podem ser capazes de lidar melhor se conseguirem preparar as mudanças antecipadamente.

 

 

Interesses excessivamente focados

Muitas pessoas autistas têm interesses intensos e excessivamente focados, muitas vezes a partir de uma idade bastante jovem. Os interesses podem mudar ao longo do tempo ou continuar ao longo da vida, e pode ser qualquer coisa desde arte ou música, a livros ou computadores. Um interesse às vezes pode ser incomum. Por exemplo, uma pessoa autista adorava colecionar lixo. Com apoio, a pessoa desenvolveu interesse na reciclagem e no meio ambiente.

Muitos autistas canalizam seus interesse em estudar, em um trabalho remunerado, ser voluntário ou outra ocupação significativa. As pessoas autistas geralmente relatam que a busca de tais interesses é fundamental para seu bem-estar e felicidade.

Sensibilidade sensorial

As pessoas autistas também podem experimentar uma sensibilidade excessiva ou insuficiente a sons, toques, gostos, cheiros, luz, cores, temperaturas ou dor. Por exemplo, eles podem encontrar certos sons de fundo, que outras pessoas ignoram ou bloqueiam, insuportavelmente alto ou ser uma distração. Isso pode causar ansiedade ou mesmo dor física. Ou podem estar fascinados por luzes ou objetos giratórios.

Causas e curas

O que causa autismo?

A causa exata do autismo ainda está sendo investigada. As pesquisas em causa sugerem que uma combinação de fatores – genéticos e ambientais – pode explicar diferenças no desenvolvimento. O autismo não é causado pela educação, circunstâncias sociais e não é culpa do indivíduo com a condição.

Existe uma cura?

Não existe “cura” para o autismo. No entanto, existe uma série de estratégias e abordagens – métodos de aprendizagem e desenvolvimento – que as pessoas podem achar úteis.

 

 

Escolher uma abordagem

Um programa que se foque nos pontos fortes e os interesses do indivíduo é amplamente reconhecido como a melhor maneira de criar confiança, motivação e potencial em pessoas com autismo.
As abordagens que afirmam “curar” o autismo devem ser evitadas. As características e comportamentos associados ao autismo podem ser significativamente melhorados por tratamentos adequados, no entanto, não há cura.

As abordagens que afirmam ser adequadas para todas as pessoa com autismo também devem ser evitadas. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar necessariamente com outra, da mesma forma, o que funciona no momento pode deixar de ser efetivo mais tarde.

Antes de decidir qual abordagem seguir, há uma série de coisas que você deve considerar. Você deseja visitar um terapeuta ou que os serviços sejam em sua casa? Se você deseja que os serviços sejam feitos em sua casa, considere o impacto das visitas regulares dos prestadores de serviços aos outros membros da família.

Outras coisas que você pode optar por considerar podem incluir:

  • Há quanto tempo a abordagem existe e quais foram os resultados?
  • Qual é a duração do tratamento?
  • Onde a abordagem está localizada e é conveniente para você?
  • Se o serviço for feito em sua casa, existe espaço suficiente?
  • Você pode conversar com outros pais ou profissionais que usaram a abordagem?
  • Quais são as qualificações da equipe responsável por fornecer a abordagem?
  • Qual é o custo total da abordagem, incluindo quaisquer taxas, materiais ou equipamentos, viagens e, se aplicável, despesas de alojamento?
  • Existe financiamento disponível?

 

 

Sinais de aviso

Se uma intervenção ou abordagem parece muito boa para ser verdade, provavelmente algo está errado . Existem uma lista sinais de aviso de que uma abordagem pode não ser o que parece.

  • O aval de uma celebridade (porquê as celebridades sabem mais do que você?).
  • Apresentações muito elaboradas (por exemplo, vídeos e apresentações em PowerPoint) que incluem dados científicos falsos.
  • Comercialização da intervenção ou do programa (taxas dispendiosas ou oportunidades para você ganhar dinheiro, tornando-se um revendedor da intervenção)
  • Novas “pesquisas” que não foram publicados em revistas respeitáveis e revistas por profissionais.
  • Uso de palavras como “milagre”, “fé”, “confiança”, “cura”, “recuperação”.
  • Afirmar a existência de altas taxas de sucesso e resultados rápidos.
  • Reivindicar que a intervenção é eficaz para muitas condições, distúrbios e doenças.
  • Reivindicar que a intervenção é fácil de usar, e que exige pouco treino ou experiência.
  • Afirmar que outras intervenções já comprovadas são desnecessárias, inferiores ou prejudiciais.
  • Promover literatura ou sites que possuem detalhes de contato incompletos – como um endereço postal completo e um número de telefone fixo.

Diagnosticar autismo em crianças

As crianças podem ser diagnosticadas como autistas quando são bastante jovens, em alguns casos a partir dos dois anos de idade. Mas nem todas são diagnosticadas no início da vida. É bastante comum que uma criança não obtenha seu diagnóstico até que esta seja mais velha, ou mesmo um adulto, particularmente se eles não tiveram dificuldades de aprendizagem.
Alguns dos principais sinais de que uma criança pode ser autista incluem:

  • Não atrair a atenção dos pais para objetos, por exemplo, apontar para um brinquedo ou um livro.
  • Realizando atividades de forma repetitiva, por exemplo, jogar sempre o mesmo jogo da mesma maneira, ou repetidamente alinhar os brinquedos na mesma ordem
  • Existe uma resistência à mudança ou a fazer as coisas de forma diferente
  • Começam a surgir dificuldades com comunicação e interação social
  • Comportamento como morder, beliscar, chutar, colocar itens não comestíveis na boca ou comportamento auto-prejudicial.

 

 

Muitas crianças autistas e as suas famílias beneficiam de ter um diagnóstico do perfil das suas necessidades. Ter uma explicação para as dificuldades que seu filho tem experimentado pode trazer uma sensação de alívio.
Algumas pessoas preferem não obter um diagnóstico formal para o seu filho. Às vezes, os pais sentem que o seu filho irá fazer um progresso maior se ele não se vir como uma pessoa com uma deficiência.

Fale com o seu médico de família

Faça uma consulta com o seu médico de família .Leve uma lista de comportamentos e características que o fazem pensar que seu filho pode ser autista. Pode ser útil manter um diário de comportamento do seu filho.

Triagem

Se o seu filho esta em idade pré-escolar, seu médico de família pode realizar uma “entrevista de triagem”. Isso não lhe dará um diagnóstico, mas é uma maneira de indicar se seu filho pode ser autista.

Algumas ferramentas, às vezes disponíveis on-line ou em aplicativos de smartphones, também afirmam poder diagnosticar o autismo. O uso destas ferramentas de triagem é potencialmente problemático, pois existem muitos fatores que afetam o desenvolvimento de uma criança que exigirão investigação especializada. O uso dessas ferramenta não deve ser visto como uma alternativa à avaliação e ao diagnóstico adequados.

Se tem uma criança em idade escolar, pode ser útil marcar um encontro com o Coordenador de Necessidades Educacionais Especiais da escola ou com o Professor de Suporte de Aprendizagem para discutir suas preocupações. O pessoal docente também pode ter identificado comportamentos e características similares e ser capaz de oferecer apoio na busca de um diagnóstico para seu filho.

Uma vez que seu médico de família esteja convencido das dificuldades do seu filho, este deve ser encaminhado para uma avaliação formal (diagnóstico). Você pode ter que esperar algum tempo antes de ir para a avaliação. Entretanto, seu filho pode ser encaminhado para outras equipes, como terapia de fala e linguagem, terapia ocupacional ou serviços de suporte educacional. Esses profissionais podem ajudá-lo a entender melhor as necessidades do seu filho.

Seu filho deve ter uma avaliação diagnóstica multidisciplinar – ou seja, uma avaliação por parte de uma equipe de profissionais. A equipe pode incluir, por exemplo, um pediatra, um terapeuta de fala e linguagem e um psicólogo especialista.

 

 

O diagnóstico privado é uma opção, se você pode pagar por um, e pode reduzir o tempo de espera. Os custos das avaliações privadas podem variar, por isso é uma boa ideia telefonar para vários serviços para perguntar sobre os custos e se o serviço de acompanhamento após o diagnóstico da criança está também incluído.

Algumas autoridades locais podem não aceitar os resultados de diagnósticos privados. Eles podem insistir em um diagnóstico no serviço nacional de saúde antes de lhe darem acesso a serviços para você e seu filho. Por esse motivo, sugerimos que você fique na lista de espera para uma avaliação no serviço nacional de saúde, mesmo que você também decida procurar a ajuda de um particular.

Em uma equipe multidisciplinar, os profissionais provavelmente avaliarão seu filho separadamente e as suas descobertas serão no fim juntas pelo líder da equipe para formar um diagnóstico. Isso pode significar que você precisa ir a várias consultas e pode ser necessário esperar algum tempo entre as a data das consultas.

Diferentes diagnósticos usam métodos diferentes para diagnosticar o autismo, mas existem diretrizes que devem seguir:

  • Relatórios de todos aos ambientes em que a criança se insere (por exemplo, escola, creche)
  • Observações de comportamento em mais de um cenário
  • Avaliações cognitivas, de comunicação, de comportamento e de saúde mental
  • Uma avaliação das necessidades e pontos fortes de todos os membros da família
  • Um exame físico completo

A equipe deve explicar o motivo de cada teste ou avaliação. Você deve ter tempo suficiente para fazer perguntas. Não tenha medo de pedir explicações ou esclarecimentos se precisar deles.

 

 

O relatório de diagnóstico

O médico responsável irá dizer se eles pensam ou não que seu filho é autista. Eles podem fazer isso no dia da avaliação, por telefone em uma data posterior, ou em um relatório escrito que eles enviam para você por correio.

Os relatórios de diagnóstico podem ser difíceis de ler e entender em alguns lugares. Você pode chamar o médico responsável para conversar sobre qualquer parte do relatório que você achar pouco clara.

O relatório deve dar um diagnóstico claro. Frases como “tendências autistas” não são muito úteis porque implicam que uma criança não é autista. Isso pode causar problemas ao tentar aceder a suporte específico ao autismo.

É muito importante compreender o perfil individual das necessidades da criança. O relatório pode dizer que o seu filho apresenta um perfil de autismo especifico, como síndrome de Asperger e pode dar recomendações para apoio.

Suporte pós-diagnóstico

Um diagnóstico de autismo pode ser difícil de aceitar. Ter que lidar com uma condição com a qual você conhece muito pouco e tentar encontrar novas maneiras para que todos vivam juntos e se sintam apoiados não é uma tarefa fácil . Alguns profissionais oferecem um serviço de acompanhamento, mas o que isso incluisíndrome de Aspergera-saudavel.org/autismo/”>síndrome de Aspergerde ou não incluir visitas regulares para acompanhar o progresso do seu filho.

Se não concorda com o diagnóstico

Você pode ser informado de que seu filho não tem autismo, ou outro diagnóstico com o qual você não concorda.

Você pode procurar uma segunda opinião, o que significa voltar ao médico de familia para explicar que não está satisfeito com o diagnóstico e pedir-lhes que encaminhe o seu filho para outro lugar.

Se fizer uma segunda avaliação, lembre-se de que pode chegar à mesma conclusão que a primeira.

Diagnóstico de autismo em adultos

Serei autista?

Você poderá estar a perguntar-se se é autista. Talvez tenha lido algo sobre a condição, ou tenha visto um programa na TV, e pense que descreve algumas de suas próprias experiências.
É bastante comum que as pessoas tenham passado pela vida sem um diagnóstico de autismo, sentindo que de alguma forma não se encaixam. Muitas pessoas aprendem a lidar com a vida em seus próprios maneira, embora isso possa ser um trabalho árduo. Eles podem estar casados ou morar com um parceiro, ter famílias ou carreiras bem-sucedidas. Outros podem estar mais isoladas e encontrar mais dificuldades em lidar com a vida.

Depende de si decidir procurar um diagnóstico . Algumas pessoas preferem se auto diagnosticar, mas a única maneira de saber com certeza se você é autista é obter um diagnóstico formal.

 

 

Benefícios de um diagnóstico

Algumas pessoas vêm um diagnóstico formal como um rótulo inútil, mas para muitos, obter uma avaliação e diagnóstico assertivo e completo pode ser útil porque:

  • Pode ajudá-lo (e sua família, parceiro, empregador, colegas e amigos) a entender porque enfrenta certas dificuldades e o que pode fazer sobre em relação a isso.
  • Pode corrigir um diagnóstico errado anterior (como a esquizofrenia), e significa que qualquer problema de saúde mental pode ser melhor abordado (no entanto, pode ser difícil fazer um diagnóstico de autismo onde existe outros problemas graves de saúde mental)
  • pode ajudá-lo a obter acesso a serviços e benefícios adequados
  • Seu empregador será obrigado a fazer os ajustes razoáveis necessários

Obter um diagnóstico – o processo

O autismo (incluindo a síndrome de Asperger) varia muito de pessoa para pessoa, portanto, fazer um diagnóstico pode ser difícil. Um diagnóstico – a identificação formal do autismo – é, portanto, melhor feito por uma equipe de diagnóstico multidisciplinar.

Passo 1: fale com o seu médico de família

Faça uma consulta com o seu médico de família. Certifique-se de que seu diagnóstico é a único motivo pelo qual você vai falar com o seu médico de família. Se tentar mencioná-lo durante uma consulta sobre outro assunto qualquer, seu médico de família pode não dar a importância necessária.

Passo 2: apresentar o seu caso

Seu médico de família precisa de um motivo para encaminhá-lo para o diagnóstico, por isso vai ter que explicar por que acha que pode ser autista e de que forma um diagnóstico o poderia ajudar. Se acha que vai necessitar de ajuda, peça a alguém que conheça o acompanhar.

Explique a sua situação.Você poderá dizer que estava a ler sobre o autismo. Pode dizer que acha que experimenta algumas das dificuldades que as pessoas com autismo podem enfrentar, e que gostaria de procurar um diagnóstico formal para ter certeza. Tente dar ao seu seu médico de família alguns exemplos das dificuldades que teve na idade adulta e na infância relativas a comunicação, interação social, dificuldades sensoriais, amizades ou emprego e a forma como acha que isso afeta as diferentes áreas de sua vida.

 

 

Passo 3: obter uma encaminhamento para um diagnostico

Se o seu médico de família concorda em encaminhá-lo, recomendamos que lhes diga sobre os serviços locais que possuem experiência de diagnóstico multidisciplinar de autismo em adultos. Imprima os detalhes dos serviços de diagnóstico na sua área e leve-os consigo.

Se não for possível encaminhá-lo a uma equipe multidisciplinar, pode ser encaminhado a um profissional, como um psiquiatra ou psicólogo clínico. Este profissional deve ter experiência no diagnóstico de autismo – isso significa que provavelmente será avaliado com precisão e evitará ter que voltar para o seu médico de família para pedir uma segunda referência.

Esteja ciente de que às vezes pode ser difícil encontrar um serviço ou profissional com experiência no diagnóstico de autismo em adultos. Depois de ter sido encaminhado, não há mais envolvimento de seu médico de família.

E se o seu medico de familia decidir não o encaminhar para um diagnostico?
Se o seu médico de família decidir não encaminhá-lo para um diagnóstico, pergunte o motivo. Se você não se sentir à vontade para discutir sua decisão, então, você pode pedir uma segunda consulta para conversar. Poderá também pedir para ver outro médico de família.

Passo 4: avaliação diagnóstica

A maioria dos adultos vê um psiquiatra, psicólogo clínico ou equipe multidisciplinar para ter um diagnóstico. Os tempos de espera variam. poderá levar alguém consigo quando fizer o diagnóstico se quiser. A equipe ou o profissional podem pedir-lhe para trazer um “informante” consigo – alguém que o conheceu em criança, como um de seus pais ou um irmão mais velho. Isso acontece porque eles podem ser capazes de fornecer informações importantes sobre sua infância.
O diagnóstico não é um exame médico. Não precisa ser examinado fisicamente e não deve ser solicitado qualquer amostra, como sangue.

 

 

Passo 5: aceitar os resultados

Às vezes, o resultado do diagnostico indica que a pessoa não é autistas Se não concordar com o diagnostico pode procurar uma segunda opinião, o que significa voltar ao seu médico de família para explicar que não está satisfeito com o seu diagnóstico e pedir-lhes que o encaminhe a outro lado ou então que prefere pagar uma avaliação privada. Se fizer uma segunda avaliação, lembre-se de que pode chegar à mesma conclusão que a primeira avaliação.

Se obteve um diagnóstico de autismo
Se for diagnosticado como autista, você pode ter muitas perguntas. pode-se estar a perguntar como pode descobrir mais sobre a sua condição, como conhecer outras pessoas autistas, ou querer aceder a serviços e suporte.
o suporte pós-diagnóstico é importante. algumas equipes de diagnóstico e profissionais oferecem serviços de acompanhamento após o diagnóstico e podem responder às suas perguntas e indicar serviços de suporte. no entanto, nem todos fazem isso.

Após o diagnóstico o serviço de suporte não é acionado automaticamente, mas ter um diagnóstico formal significa que é mais provável que possa ter acesso aos serviços e reivindicar quaisquer benefícios que tenha direito. nem todos sentem que precisam de mais apoio – para algumas pessoas, simplesmente obter um diagnóstico parece ser suficiente.

BAIXE AGORA GRÁTIS O GUIA
OS 10 MELHORES SUCOS DETOX PARA EMAGRECER COM SAÚDE!!

Deixe o seu comentário

O seu email não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.